PT e aliados dizem que julgamento de Lula coloca a democracia em risco

Por Cristiano 15/01/2018 - 09:25 hs

PT e aliados dizem que julgamento de Lula coloca a democracia em risco
Divulgação

Em dez dias, o Partido dos Trabalhadores vai confirmar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo se ele for condenado em 2ª instância no dia anterior.

Dentro do PT e entre apoiadores do petista, o argumento é de que oficializar o nome de Lula é mais um ato de resistência aos "ataques que a democracia tem sofrido". A tese é de que há uma perseguição contra o ex-presidente e isso pode inclusive tornar inviável a eleição deste ano.

Senador do MDB e cotado para ser vice de Lula, Roberto Requião (PR) acredita que o governo atual e parte do Judiciário estão se colocando muito acima da sociedade e são capazes de fazer pequenas mudanças na legislação para impedir que o povo participe do pleito.

Um dos exemplos do que pode ser feito, na avaliação dele, é a instauração do semipresidencialismo. Há um projeto em discussão sobre o modelo político no qual o Congresso divide o comando do Executivo com o presidente. A proposta é uma das defesas do presidente Michel Temer e do ministro do STF Gilmar Mendes.

"Esse movimento em prol da candidatura do Lula está com cara de 'devolva o Brasil aos brasileiros'. O Lula é só um ponto de apoio. Está em jogo a democracia no País", afirmou Requião ao HuffPost Brasil.

O senador insiste que não há uma oposição à Operação Lava Jato, "mas aos exageros" da investigação que levou à condenação de Lula em 1ª instância.

Manifestação

Um dos vice-presidentes do PT, Alexandre Padilha corrobora a tese de que o ato em prol de Lula é pela democracia. "Passaram o julgamento dele na frente de outros sete, incluindo o da esposa do Eduardo Cunha. Isso mostra a postura seletiva da Justiça brasileira", afirmou ao jornalista Fernando Morais.